Pelo Alentejo de mota entre Évora e o Alqueva

Passeio pelo Alentejo de mota.

Pelo Alentejo de mota entre Évora e o Alqueva

Porque nunca esquecemos Portugal e os seus belos recantos, um passeio pelo Alentejo de mota é para nós uma escolha frequente.

Desta vez, a região de Évora e o Alqueva, foram destinos eleitos para uma revigorante pequena viagem de fim de semana em duas rodas. Uma rota panorâmica de 250 km por entre as maravilhas da região, para percorrer de mota ao ritmo alentejano.

Évora é a cidade que viu o João nascer e para nós o Alentejo tem especial encanto. Muito tem para oferecer e por ele muitas boas estradas se percorrem.

Passeio pelo Alentejo de mota. Templo de Diana em Évora
Passeio pelo Alentejo de mota. Templo de Diana em Évora

Sobre o Alentejo

A quietude alentejana é o que nos atrai, longe dos grandes centros urbanos e da loucura do dia a dia. Mas para nos conquistar, cedo nos revela muito mais do que a sua alma sossegada.

É também repleto de pequenos povoados que nos contam a seu ritmo histórias de outros tempos. Oferece-nos as estradas que os unem e se estendem por entre as longas e belas planícies de cultivo da região.

Percorrê-las de mota é uma prazer relaxante, de quilómetros de boas e pequenas estradas de trânsito quase inexistente. As curvas escasseiam, mas nem só de curvas vive o motard. As panorâmicas estradas da região valem a viagem, assim como a excelente qualidade do piso que oferecem!

São sucessões de herdades e os seus cultivos em redor. Na maioria vinhas e olivais infinitos perfeitamente cuidados. Um jardim agrícola pelas planícies do Sul de Portugal.

Pelo Alentejo por entre os olivais.
Pelo Alentejo por entre os olivais.
Passeio pelo Alentejo de mota.
Passeio pelo Alentejo de mota.

Harmoniosamente povoados pelos animais que se passeiam pelos campos de pastagens entre as sombras de sobreiros e azinheiras.

De mota pelo Alentejo
De mota pelo Alentejo

Com a simples riqueza em tudo o que oferece, não precisava de mais nada para nos convencer a por lá passar.

Locais a visitar entre Évora e o Alqueva num passeio pelo Alentejo de mota

Évora, a cidade alentejana de raízes romanas

Évora, a cidade cujo centro histórico foi declarado Património Mundial pela UNESCO. Um dos locais de Portugal que alberga um dos mais antigos e bem preservados monumentos nacionais: o Templo Romano de Diana.

Um passeio pelas ruas da cidade é um desfilo de edifícios típicos e monumentos que lhe conferem o estatuto de Cidade-Museu. Ao alcance de uma pequena caminhada pelas ruas empedradas ao ritmo alentejano, sempre devagar pois claro.

Entre a Praça do Giraldo, a Sé de Évora, a Capela dos Ossos ou o Convento dos Lóios que hoje cede o nome e o espaço às Pousadas de Portugal, estará na pequena rota das grandes maravilhas da cidade.

Pelo Alentejo de mota. Pousada de Lóios junto ao Templo de Diana
Pelo Alentejo de mota. Pousada dos Lóios junto ao Templo de Diana
Pelo Alentejo de mota. Pousada de Lóios junto ao Templo de Diana
Pelo Alentejo de mota. Pousada dos Lóios junto ao Templo de Diana

Maravilhosa Cozinha Tradicional Alentejana

Mas para completar em perfeição, a maravilhosa gastronomia alentejana merece referência. É a cozinha tradicional que nos conforta a alma e devolve as energias depois de um longo dia de viagem de mota pela região.

Para os palatos mais atentos, por entre todas as atracções da cidade, enquadram-se os vários restaurantes que servem os manjares alentejanos. E para quem aprecia, devem ser regados com os famosos vinhos da região. O restaurante 1/4 Prás 9 é dos nossos preferidos!

Mas sugerimos que deixe essa actividade mais para o final do dia, quando a mota estiver devidamente estacionada num dos inúmeros alojamentos pela cidade.

Opções não faltam, e a vantagem de escolher o centro para pernoitar, é poder caminhar a pé para uma refeição no final do dia. Sentir que percorre o museu ao ar livre com as estrelas como pano de fundo depois de um prato tradicional alentejano!

Agora que estamos a relembrar sabores inesquecíveis, temos de transmitir os pensamentos! Giram entre as entradas de queijos da região com compotas, azeitonas e pão alentejano.

São seguidos por uma sopa de cação e um prato de empada de perdiz. Não podia faltar a sericaia com ameixas de Elvas para a sobremesa! No Alentejo é assim, e por lá não se está nada mal!

Pelo Alentejo de mota. Restaurantes Tradicionais em Évora. Empada de Perdiz
Pelo Alentejo de mota. Restaurantes Tradicionais em Évora. Empada de Perdiz

Alandroal, na rota dos Castelos Alentejanos

Com a passagem e pernoita pela antiga cidade de Évora, tomamos o rumo ao Redondo. Pequena vila cujas ruas de casas esbranquiçadas ganham cor com exposições do artesanato típico da região.

Pelo Alentejo de mota
Pelo Alentejo de mota
Pelo Alentejo de mota. Loja de móveis tradicionais em Redondo
Pelo Alentejo de mota. Loja de móveis tradicionais em Redondo

O Castelo do Alandroal espera por nós, algures pela estrada que se perde no horizonte. Pelas longas planícies alentejanas e o arvoredo espaçado a que nos habitua. A estrada é de boa qualidade e o trânsito quase inexistente.

Nunca esquecemos que percorremos a quietude alentejana e na maioria do percurso estamos apenas nós, a estrada e a mota. Por vezes surge algum trânsito, especialmente se chegada a hora dos animais seguirem para as pastagens.

Pelo Alentejo de mota
Pelo Alentejo de mota.
Pelo Alentejo de mota
Pelo Alentejo de mota

Chegados ao Alandroal, uma curta visita ao castelo promete. Com a mota estacionada junto à entrada principal, as elegantes portas avermelhadas convidam-nos a entrar na muralha. Obra do rei D. Dinis durante o séc. XIII, esta encontra-se bem preservada relembrando a glória de outros tempos.

Para os mais ousados, um passeio no topo das muralhas oferece, a vistas algo vertiginosas, uma perspectiva da região que vale a pena conhecer.

Castelo do Alandroal. Pelo Alentejo de mota.
Castelo do Alandroal. Pelo Alentejo de mota.
Castelo do Alandroal. Pelo Alentejo de mota.
Castelo do Alandroal. Pelo Alentejo de mota.
Castelo do Alandroal. Pelo Alentejo de mota.
Castelo do Alandroal. Pelo Alentejo de mota.

Juromenha, a Fortaleza Medieval nas margens do Guadiana

Quase com as duas rodas no nosso país vizinho, visitamos a Fortaleza de Juromenha. Empoleirada nas margens do Guadiana observa os espanhóis em posição privilegiada. Mais uma obra do rei D. Dinis, esta a merecer obras de restauro que lhe devolvam a harmonia de outros tempos.

Mesmo em ruínas, merece a visita, porque pelas suas ruas medievais se respiram grandes acontecimentos da história de Portugal, e em seu redor a paisagem é deslumbrante.

O rio Guadiana a seus pés, a  impor a fronteira outrora disputada entre Portugal e Espanha, percorre o seu caminho para sul e os cultivos em seu redor graciosamente o acompanham.

Diria que a entrada de mota na pequena cidade medieval se assemelha ás entradas das carruagens ao longo dos séculos. Continua em terra e pedregulhos, mas nada disso nos detém!

Pelo Alentejo de mota em Fortaleza de Juromenha.
Pelo Alentejo de mota em Fortaleza de Juromenha.
Pelo Alentejo de mota em Fortaleza de Juromenha.
Pelo Alentejo de mota em Fortaleza de Juromenha.

O Alqueva, Monsaraz e Mourão

De toda a região, diria que este é o nosso local preferido! O Castelo de Monsaraz é um local fascinante e único com vistas privilegiadas para umas das maiores obras de engenharia em Portugal: a Barragem do Alqueva.

Tão incrivelmente bela quanto polémica, é indiscutível que ofereceu à região um lugar de destaque nas rotas turísticas nacionais.

Mas nem por isso perdeu a alma sossegada alentejana. Por lá, percorrer as estradas em redor do Alqueva e visitar os típicos povoados que a ele resistiram, é um passeio divinal!

Pelo Alentejo de mota em Castelo de Monsaraz com vista para o Alqueva.
Pelo Alentejo de mota em Castelo de Monsaraz com vista para o Alqueva.
Pelo Alentejo de mota em Castelo de Monsaraz com vista para o Alqueva.
Pelo Alentejo de mota em Castelo de Monsaraz com vista para o Alqueva.

Castelo de Monsaraz

A estrada que conduz ao Castelo de Monsaraz oferece-nos uma das poucas subidas curvilíneas no Alentejo! Alguns quilómetros por entre a natureza e o Alqueva que terminam numa das jóias do património nacional.

Chegados ao Castelo de Monsaraz! O acesso pedonal, através da Porta da Vila assemelha-se a uma moldura que nos chama para uma visita ao seu interior. De onde o vislumbre do casario branco não nos deixa ir embora sem uma visita.

Pelo Alentejo de mota em Castelo de Monsaraz com vista para o Alqueva.
Pelo Alentejo de mota em Castelo de Monsaraz com vista para o Alqueva.
Pelo Alentejo de mota em Castelo de Monsaraz com vista para o Alqueva.
Pelo Alentejo de mota em Castelo de Monsaraz com vista para o Alqueva.
Pelo Alentejo de mota em Castelo de Monsaraz com vista para o Alqueva.
Pelo Alentejo de mota em Castelo de Monsaraz com vista para o Alqueva.

Do alto de um esporão rochoso com vistas de tirar o fôlego para as planícies em redor, as pequenas e bem preservadas ruas do interior da muralha escondem recantos preciosos. Um passeio entre pequenas lojas regionais de artesãos da região, esplanadas e restaurantes!

Pelo Alentejo de mota em Castelo de Monsaraz com vista para o Alqueva.
Pelo Alentejo de mota em Castelo de Monsaraz com vista para o Alqueva.
Pelo Alentejo de mota em Castelo de Monsaraz com vista para o Alqueva.
Pelo Alentejo de mota em Castelo de Monsaraz com vista para o Alqueva.

Mourão, por lá está o local perfeito para uma boa refeição

Em Mourão aguarda-nos uma bela refeição! O restaurante Adega Velha, no centro da vila, é o nosso preferido e por lá não há nada que não seja uma delícia. Um pouco que sorte e ainda ouve cantar o Cante Alentejano, a tradição que virou Património Cultural da UNESCO.

De aspecto tradicional, de bancos de madeira e louça de barro, apresenta uma extensa colecção de rádios antigos como pano de fundo das maravilhas que por lá se confeccionam. Com ambiente típico de taberna, salientam-se as enormes talhas dispostas em harmonia por todo o restaurante.

Vamos ao que até ele nos leva: ovos mexidos com espargos selvagens, cozido de grão com enchidos de porco ou o bolo rançoso para a sobremesa entre muitos outros pratos.

Restaurante Adega Velha em Mourão
Restaurante Adega Velha em Mourão

De Mourão, segue-se o regresso a Évora pela Barragem do Alqueva para uma nova perspectiva e a nossa rota por lá termina. Até uma próxima por regiões alentejanas!

Quando ir

Ao contrário de muitos países da Europa, por Portugal o clima não impõe condicionalismos de circulação. É uma paraíso climatérico na pontinha do mapa da Europa, no qual temos a sorte de residir!

Viajar de mota durante todo o ano é possível e são poucos os dias chuvosos em que não apetece sair da garagem.

Uma viagem até ao Alentejo não é excepção, seja de Verão ou de Inverno muitos dias de sol prevalecem e por lá sabe sempre bem passear!

A diferença na paisagem é drástica em função da estação do ano, mas nem por isso de menor beleza. Durante a maior parte do ano, e em especial se o Inverno foi chuvoso o suficiente, a paisagem reveste-se de verde. Por sua vez, no período de Verão, os campos verdejantes secam por escassez de água e dão lugar aos amarelados reluzentes, como se campos de ouro se tratassem.

O clima no Alentejo é temperado, com Invernos húmidos e muito frios e Verões muito quentes e secos. Durante a estação fria é necessário levar o fato de inverno vestido e as temperaturas podem atingir valores negativos.

Pelo Alentejo no Inverno
Pelo Alentejo no Inverno

Por sua vez nos picos do Verão as elevadas temperaturas, que podem atingir os 40º, tornam uma viagem de mota mais desgastante, pelo que se recomenda que evite os meses de Julho e Agosto.

Mas como sempre sugerimos, o que importa é ir e aproveitar muito!

Mapa do Percurso

2 Replies to “Pelo Alentejo de mota entre Évora e o Alqueva”

  1. Belíssimo roteiro de Viagem, para recordar que Portugal é óptimo para viajar de Mota.
    Obrigado pela partilha e pelas sugestões dos bons locais para as refeições.

  2. O que é nacional também é bom! Então o Alentejo…

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: