Crónicas de viagem: De Gotemburgo na Suécia, a Tingavtn na Noruega

Crónicas de viagem à Noruega

Há quase 10 anos atrás tomávamos os caminhos do Norte da Europa na estreia da nossa RT. Fora a sua primeira grande viagem! Hoje, 160 mil quilómetros de aventuras depois, volta a colocar as duas rodas na mesma latitude, em busca dos muitos lugares que deixámos por conhecer. Por inexperiência, ou por falta de tempo, passámos ao lado de muitos cantinhos da Escandinávia que nos ficaram debaixo de olho. Decidimos agora ir tratar de resolver essa questão. Terá sido essa uma desculpa para voltar? Sentimos que ainda há por aqui muita nova estrada a percorrer.

Cerca de dois dias e meio depois de sairmos de Portugal, e 2600km percorridos, chegamos de ferry a Gotemburgo, na Suécia. Para trás ficou o trânsito caótico das auto estradas de França, Bélgica, Holanda e Alemanha. De onde veio tanta gente?! As etapas aborrecidas, mas necessárias, para mais rápido chegar ao destino.

São 9:15 da manhã e o ferry da Stena Line atraca no porto de Gotemburgo na hora prevista. Os motociclistas reúnem-se no porão do ferry. Impacientes para sair e aliviados porque a travessia foi tranquila. Não testou a capacidade individual de amarrar a mota.

O dia amanhece soalheiro. Pelas ruas da cidade passam os carros descapotáveis de capota aberta, os suecos passeiam de t-shirts, calções e chinelos. Parece ser Verão por ali. Nós olhamos para os 10 graus de temperatura que a nossa mota anuncia no visor, e agradecemos as ceroulas que vestimos pela manhã debaixo do fato. Rimos de nós próprios, e deles, dentro do capacete fechado.

Precisamos de gasolina! E os 2,50Eur por litro na Alemanha não estavam nada convidativos, por incrível que pareça deixámos a RT a meio depósito para abastecer na Suécia, nuns mais ”agradáveis” 2,10Eur por litro. É sábado de manhã e a maioria dos serviços estão encerrados, ou em sistema de self service. Não temos outra alternativa a não ser abastecer e pagar com cartão multibanco na própria bomba. Resmungamos connosco próprios porque esta opção nos retira uma franquia de 150eur, que não saberemos em quanto tempo devolverão. Aprendemos ali a abastecer a mota com mais autonomia, e sempre que virmos pessoas na caixa para receber o pagamento.

180 km depois chegamos a Sarpsborg, já na Noruega e na rota da Pré História: The Ancient Road. Se vínhamos até à Noruega não podíamos perder esta rota certo? Por toda a extensão da estrada que une Fredrikstad e Skjeberg, encontra-se a maior concentração de monumentos antigos da Idade do Bronze e do Ferro: túmulos e aldeias fortificadas. Também as monumentais gravuras rupestres do Norte da Europa, com representações que contam a vida quotidiana dos Vikings: figuras humanas, animais, navios e carroças, armas e ferramentas, juntamente com símbolos em linhas, círculos, etc. A estrada atravessa uma paisagem histórica rica em beleza natural, com campos e prados panorâmicos, bosques e vislumbres do mar a curta distância.

Dada a latitude, é impressionante testemunhar a presença humana em tão severas condições há milhares de anos atrás. As gravuras multiplicam-se nos afloramentos rochosos pela beira da estrada. Umas de aspecto recém pintado, outras que, felizmente, ainda mantém o traço original intocado. O que pensaram estes Vikings ao ir pintar novamente gravuras com milhares de anos? Só podemos concluir que quem fez aquilo deu muito na cerveja na noite anterior. Que atrocidade!

A sul de Oslo, a capital da Noruega, encontramos a rota de ferry Moss – Horten que em 45 minutos de travessia e 7eur, nos evita cerca de 2h de trânsito citadino. São 16h da tarde e o #garminzumoxt diz que ainda faltam 4 horas de viagem e 300 km para o destino final do dia. Mas há uma preocupação que por aqui, e nesta época do ano, não temos: chegar de noite!

A luz de fim de tarde ilumina de forma esplendorosa os caminhos que nos levam ao interior das montanhas no sul do país, e nos arredores de Kristiansand. A estrada 42 é a que nos guia na maior parte do tempo. Remete-nos de repente para um país despovoado, de natureza rica, de bosques encantadores, de lagos e lagoas.

Estamos a caminho do fiorde de Lyse, um dos mais longos e profundos fiordes do mundo. A entrada no coração das montanhas é anunciada, assim que sob nós se elevam montanhas imponentes e nos dificultam o vislumbre do céu. Estamos na mágica Noruega, estão 4 graus na rua às 21h, e amanhã é outro dia de aventuras.

4 Replies to “Crónicas de viagem: De Gotemburgo na Suécia, a Tingavtn na Noruega”

  1. Tou a seguir ao minuto 😀👌✌️

    1. Morandini Valter says: Responder

      Grande viaggio..norway è un paradiso per le due ruote..

      1. quilometroinfinito says: Responder

        vero amico. un grande bacio e un abbraccio dal Portogallo e buon viaggio! Nos in Norway: Pasta, Pasta, Pasta 😉

  2. Adoro as vossas aventuras e crónicas , apesar de não ser amante de viagens de moto!

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

EnglishPortuguese
Quilómetro Infinito
%d bloggers like this: