Como marcar um roteiro de viagem de mota personalizado?

Roteiro de viagem de mota personalizado. Como marcar e definir um percurso?

Queríamos desde a nossa primeira grande aventura, um roteiro de viagem de mota personalizado e que fosse de encontro a tudo o que valorizamos conhecer.

Por vezes, mesmo não sabendo muito bem o que queremos antes de estudar um percurso, sabemos bem o que não queremos e por isso tratamos de tudo! Com o tempo aperfeiçoamos a técnica e melhoramos a cada viagem.

Requer algum trabalho e dedicação, mas seguindo o lema de que uma viagem é vivida quando se sonha, quando se realiza e quando se relembra, sentimos que estamos na primeira etapa quando começamos a definir um roteiro de viagem de mota personalizado!

Organize a sua viagem

Há 6 anos começamos a viajar de mota e, desde então, definimos os nossos próprios roteiros. Reservamos tudo o que seja necessário, aproveitamos muito sobre duas rodas e estamos aqui agora, para partilhar tudo o que sabemos e fazemos.

O prazer de viajar de mota é o que nos move! Nem sempre com a  fácil compreensão de quem nos rodeia, pois só quem gosta de andar de mota entende algo que dificilmente se explica.

Quando o passeio é por um destino nacional, certas questões não se colocam e definir um percurso não requer uma grande preparação prévia. Estamos em casa e por isso conhecemos em que terreno nos movemos!

Por outro lado, se pensa numa grande viagem além fronteiras surgem inúmeras questões para definir um roteiro de viagem de mota personalizado.

Recurso a profissionais com pouco sucesso

De acordo com a nossa experiência pessoal, recorrer a agências de viagem e esperar que nos apresentem um roteiro que vá de encontro às nossas expectativas e necessidades é muito difícil.

Sendo a nossa forma de viajar atípica para a maioria do turismo, os recursos profissionais mais comuns desconhecem os requisitos que colocamos e o que procuramos visitar!

Andar de mota é querer as melhores estradas

Não fazem ideia de que queremos as melhores estradas, os Pass’s, os Col’s ou os Passos mais desafiantes. Passar nos locais mais remotos que se possa imaginar só porque por lá se atravessa uma das rotas panorâmicas mais belas da região.

Imaginam de imediato que um circuito de mota por Itália têm que incluir Milão, Veneza, Roma, etc. Quando na nossa mente até poderemos visitar Roma, mas só se for a caminho da estrada que acompanha a Costa Amalfitana em infinitas curvas. Até podemos conhecer Veneza, mas só se calhar bem para um tour pelos passos de montanha das Dolomites.

Num roteiro de viagem de mota personalizado
Roteiro pela Alpes com passagem no Furkapass
Roteiro de viagem de mota personalizado
Roteiro pela Noruega com passagem pelo Trollstigen
Nufenen Pass
Roteiro de viagem de mota personalizado pelos Alpes no Nufenen Pass.
roteiro de viagem de mota personalizado
Arlberg Pass numa viagem de mota pela Áustria.

Queremos com isto dizer que,  o turismo intensivo de cidade é para ser feito, na nossa opinião, noutro contexto de viagem e não de mota.

O que não quer dizer que quando passamos pelos arredores, não incluamos a visita a uma grande cidade no nosso percurso, claro que sim! Mas não o centramos nesse objectivo.

Roteiro de viagem de mota personalizado
Berna num roteiro de viagem de mota pela Suíça.
viagem de mota personalizado
Em Ait Ben Haddou num roteiro de viagem de mota por Marrocos
Roteiro de viagem de mota personalizado
Dubrovnik num roteiro de viagem de mota pela Croácia

Com a evolução na facilidade de pesquisa online com tudo o que o avanço tecnológico nos oferece, o acesso a  informação e facilidade de contactar e reservar o que pretende é, hoje em dia, algo que facilita a marcação independente de um percurso. Deste modo elegemos as várias etapas para definir um roteiro de viagem de mota personalizado.

1 – Eleger o destino de viagem

Muitas vezes sem ideia do que visitar, começamos a olhar para o mapa e perguntamos onde nos apetecerá ir desta vez. Sendo razoáveis e imaginando algo viável de concretizar, é a partir daqui que todo o planeamento começa.

Normalmente esta é a tarefa da pendura. O João quer é ir, não importa bem para onde, e confia em pleno nos meus instintos de viagem. A tarefa dele é inserir as rotas finais no GPS, garantir que marquei um alojamento com um bom parque de estacionamento e conduzir a mota! Fica assim com uma das tarefas mais difíceis!

2- Escolher as estradas panorâmicas e locais a visitar

E o que procuramos? As rotas panorâmicas, as estradas curvilíneas e tortuosas e os alucinantes passos de montanha! Encaramos todas as aldeias e grandes cidades que se cruzam no seu caminho como um bónus a inserir no percurso!

Há alguns locais que mesmo sem pesquisa já temos em mente! Se frequentemente lê e consulta informação sobre o moto turismo, já sabe que o Furkapass na Suíça ou Grossglockner na Áustria são obrigatórios numa primeira visita aos Alpes.

Se pensar na Noruega será o Trollstiggen ou a Atlantic Road que imaginará de imediato para fazer parte de um percurso na Escandinávia! As Gorges du Dadés ou do Todgha são as que surgem quando numa viagem a Marrocos se fala!

Livros e sites de moto turismo

Mas depois de alguma pesquisa online em sites de mototurismo, surgem novas estradas que nos fascinam e os povoados que nos fazem sonhar em por lá pernoitar.

Um dos sites que frequentemente visitamos, apresenta uma lista das melhores estradas a percorrer. Nela seleccionamos muitas a incluir nos nossos roteiros: o Top 100 das estradas da Europa, pela Motorbike Europe Roads.

Depois de alguma leitura de livros do tema e consulta de guias de viagem, começam a surgir vários locais e rotas a não perder.

Os guias de viagem da DK Eyewitness são excelentes na recolha de informação e resumo ilustrado de sugestões a visitar. Apresentam também muitas rotas panorâmicas em mapas detalhados.

Apesar de não serem direccionados especificamente para o moto turismo, são para a viagem! E o moto turismo é a viagem, mas de mota, portanto complementam-se muito bem!

As publicações da DK Eyewitness especialmente sobre rotas em estrada ( Backs Roads) são interessantes e apresentam muitas vezes percursos completos fantásticos, facilitando a procura.

DK Eyewitness marcar viagem de mota personalizada
DK Eyewitness Back Roads.

3- Definir o roteiro geral

Com o ponto anterior concluído com muita informação, nesta fase os mapas da Michelin são os nossos melhores amigos! Adeptos do mapa em formato de papel, só quando já sabemos onde ir recorremos ao Google Maps para conhecer as distâncias e dividir o roteiro. Assim como aos softwares para inserir o percurso no GPS.

Por vezes em alternativa aos mapas Michelin, e em especial para a zona dos Alpes, surgem os mapas da Freytag & Berndt e Marco Polo. Dedicam-se só à região alpina durante toda a sua extensão, independentemente do país que atravessam.

Têm uma qualidade e escala que permitem descobrir até a estradinha mais remota e são uma preciosa ajuda para encontrar novos pontos!

marcar viagem de mota personalizada
Mapas Michelin

Depois de assinalar no mapa todos os locais de interesse, marcamos um percurso entre eles evitando auto estradas.Por vezes por ser o caminho mais óbvio, outras vezes com desvios e sucessões de voltinhas na descoberta das estradas assinaladas como rota verde no Michelin.

O mapa acompanha-nos sempre em viagem e como tal, ter a rota nele definida é uma mais valia. Nem sempre o GPS está disposto a funcionar correctamente.

Apesar de poucas vezes nos ter falhado, costumamos aconselhar também o método tradicional de orientação, assim saberá sempre onde está em caso de imprevisto ou necessidade de plano B.

de mota personalizada
Percurso traçado no Mapa Michelin

4 – Pormenorizar o roteiro geral

Com o percurso global traçado, o mapa ganha cor e a rota promete! Chega a hora de dividir o percurso pelos dias disponíveis em função do pretendido e possível.

Aqui várias questões se colocam e são importantes conhecer para o sucesso de um roteiro.

– Tempo dísponivel para a viagem

Envio da mota por transportadora

Travessias de ferry

-Preferências de alojamento

– Quantos quilómetros consegue fazer por dia

km’s/dia vs Tipo de Estrada vs Tipo de mota

– Que tipo de roteiro de viagem de mota personalizado pretende

Tempo disponível para a viagem

Em relação aos dias de férias e para destinos Europeus, privilegiamos sempre os meses entre Maio a Setembro. Consultamos o mapa de feriados nacionais e enquadramos a viagem nessas semanas.

Se viaja sem a preocupação de cumprir um calendário,  é um felizardo! Este problema não se coloca e torna o seu percurso mais versátil.

Envio da mota por transportadora

Para este tipo de questão, existem hoje em dia inúmeras empresas de transporte que enviam a sua mota até ao destino pretendido.

Normalmente, estrategicamente escolhido numa grande cidade com um aeroporto nas proximidades. Assim enviará a sua mota e irá ao seu encontro de avião. A partir daí desfrutará apenas do passeio pretendido!

No nosso caso particular, nunca optámos por este tipo de solução, pelo que não podemos aconselhar algo nesse sentido.

No entanto, podemos dizer que em todas as vezes que nos informamos acerca de custos, ficámos com a sensação que em termos de preço se torna superior ou muito equivalente. A mais valia será mesmo optimizar o tempo e evitar cansaço em longas travessias.

Travessias de ferry

Em função do destino escolhido, poderá fazer sentido recorrer a longas travessias de ferry e evitar assim cansativos quilómetros de deslocações.

O porto de Barcelona, apresenta rotas para a costa italiana e ilha Sardenha que facilitam muitos percursos. Porto Torres, Savona, Genova e Roma são algumas das zonas portuárias alcançadas pelos ferry’s vindos de Espanha.

sardenha de mota ferry
Chegada à Sardenha no ferry da Grimaldi Lines

O site de reservas Directferries.pt é habitualmente o nosso aliado em pesquisa de rotas possíveis e reservas de travessias. Apresenta inúmeras opções por toda a Europa, em pequenas ou grandes viagens.

ferry Siljalines.
Porto de Estocolmo. Terminal de ferry Siljalines.

Preferências de Alojamento

Sempre que definimos o nosso roteiro de viagem de mota personalizado, reservamos previamente todos os locais onde ficaremos alojados.

Esta opção permite obter na maioria das vezes, preços mais baixos e elimina a preocupação de procurar local para pernoitar em viagem.

Porque privilegiamos locais com um bom parque de estacionamento para a mota, o facto de reservarmos antecipadamente é uma mais valia.

roteiro de viagem de mota personalizado
Garagem fechada em Chefchaouen durante um roteiro de viagem de mota a Marrocos

Reservas online

O site de reservas online Booking.com é o eleito. Permite facilidade de busca entre todos os tipos de alojamento, dos parques de campismo aos hotéis. Oferece também a facilidade de cancelamento ou alteração em caso de imprevisto na maioria das opções.

Assim, ao escolher antecipadamente o alojamento coloca-se a questão sobre em que locais prefere ficar. Para definir o roteiro com quilómetros viáveis a realizar por dia, necessita conhecer onde terminará a etapa.

Escolha se prefere estadias em cidades, se é adepto dos turismos rurais ou se procura um camping. Nós privilegiamos os turismos rurais, pela sua boa relação qualidade/preço e localização tranquila.

Mas em alguns locais, sempre que possível, recorremos aos parques de campismo com bungalow’s para pernoitar. Os preços são mais apelativos e as condições muitas vezes melhores. Porque incluem cozinha, oferecem a possibilidade de cozinhar uma refeição quando regressa do passeio.

Grande Hytteutleige og Camping. Geiranger. As melhores estradas da Noruega
GeirangerFjord Feriesenter Camping num roteiro de viagem de mota pela Noruega.

Verifique o horário do check-in e veja se é compatível com a sua hora de chegada aproximada. Caso conclua que não, ou contacte o alojamento ou escolha um local com horário prolongado de check-in. Em Booking.com consegue confirmar essa informação na descrição do local.

Por vezes situados em locais mais remotos e com poucos serviços em redor, privilegiamos locais com restaurantes no local ou nas proximidades. Se chegar cansado no final do dia, será confortável ter um local próximo para uma refeição.

de mota pela sardenha
Para abrir o apetite de uma visita à Sardenha! A tábua de queijos e enchidos. Agriturismo Saltara.

Quantos quilómetros consegue fazer por dia

Consideramos que conhecer bem a sua mota e o quantos quilómetros a tolera conduzir num determinado tipo de estrada é a chave do sucesso para cumprir um roteiro pré definido com sucesso.

km/dia vs Tipo de estrada vs Tipo de mota

Podemos utilizar qualquer tipo de mota para fazer grandes ou pequenas viagens, mas é importante conhecer os seus limites e desempenhos para que a possa realizar de forma consciente.

Para os nossos roteiros em particular, viajamos com uma mota Touring. O conforto e a protecção aerodinâmica são uma mais valia nos dias em que necessitamos de grandes deslocações.

Permite-nos fazer dias seguidos com percursos de mais de 1200 km que, apesar de cansativos, são viáveis de realizar e importantes para optimizar o tempo de viagem no destino final.

Até pode fazer também 1000 km por dia numa mota de pista, mas sabendo de ante-mão que isso é viável. Senão, basta marcar um percurso menos ousado em deslocações diárias ou procurar alternativas de transporte.

É, por fim necessário ter em conta que realizar 100 km em auto estrada ou via rápida, demora muito menos do que realizar 100 km em estradas secundárias.

Como já referimos em artigos anteriores, nos primeiro e últimos dias dos nossos roteiros, tomamos a opção do caminho mais rápido até ao destino (auto-estradas). Realizamos muitos quilómetros por dia (máximo 1300) para optimizar o tempo de passeio.

Na divisão do percurso nos restantes dias, simulamos as estradas exactas onde passaremos no Google Maps. Privilegiamos as estradas secundárias por locais mais remotos para definirmos as etapas.

O mapa acima representa o percurso de um dia realizado num roteiro de viagem de mota aos Alpes. De saída da região de Salzburgo, com passagem pela montanha de Grossglockner e chegada para pernoitar na região dos Alpes Julianos.

O Google Maps estima para um percurso de 255 km cerca de 4 h de tempo de condução. A realidade nunca se distancia muito destas previsões.

Repetir este processo para todos os dias permite dividir o roteiro e conhecer o que vai visitar e quanto tempo demorará. Este processo é iterativo e é assim que, a pouco e pouco o seu roteiro estará concluído!

Que tipo de roteiro de viagem de mota personalizado pretende

Esclarecendo as questões anteriores, está a passos de finalizar a divisão do seu roteiro. Nesta fase recorremos ao Google Maps para simular as distâncias nas estradas exactas onde pretendemos passar.

Assim obtemos uma percurso que consideramos viável de concretizar segundo os nossos critérios. Aqui duas últimas questões se colocam:

1- Pretende usufruir os dias inteiros a conduzir

2- Pretende alternar dias inteiros de condução com passeios por locais de interesse.

Muitos companheiros privilegiam as suas viagens com roteiros dedicados por completo a percorrer todas as boas estradas quanto possível. Dias inteiros sobre duas rodas na companhia de belas paisagens e das estradas que as percorrem.

Porque valorizamos conhecer muitos dos locais que pelo caminho se encontram, os nossos roteiros são sempre alternados por passeios para conhecer locais de interesse, onde as estradas panorâmicas e passagens de montanha nos conduzem.

Inevitavelmente, ao escolher a segunda opção e viajando com tempo limitado, realizará menos quilómetros e conhecerá menos estradas. Mas explorará melhor muitos dos locais por onde passará!

Lagos Plitvice. roteiro de viagem de mota personalizado
Parque Natural dos Lagos Plitvice num roteiro de viagem de mota personalizado pela Croácia e Montenegro.
Estrada Oriental Sarda de mota pela sardenha
Visita ao Nurague de Barumini numa viagem de mota personalizado à Sardenha e Córsega.

5 – Documentação a tratar no seu roteiro de viagem de mota personalizado

Seguro de extensão territorial para a mota

Quando programa um roteiro de viagem de mota personalizado pela Europa, a carta verde que utiliza em Portugal é válida em todos os países membros da União Europeia (UE).

No entanto, quando visita países não membros, para circular no seu território necessita de um seguro de extensão territorial. Dessa forma circula de forma legal e com todas as coberturas que usufrui nos restantes locais. Porque nestes locais terá um controlo na fronteira, será necessário apresentar esta documentação junto com o passaporte válido.

Verifique se os países que elegeu para visitar, são membros da UE. Por exemplo se visitar a Croácia, estará a uma curta distância dos vizinhos Bósnia Herzegovina e Montenegro. Se por eles quiser circular será necessário levar a carta verde onde inclua esses dois países.

No caso de Marrocos, estará a viajar para fora da União Europeia rumo ao continente Africano. Necessita de tratar da extensão territorial para o seu seguro além do passaporte.

Como tratar da extensão territorial do seguro?

É um processo muito simples. Basta contactar o seu mediador ou companhia de seguros com alguma antecedência e solicitar a alteração indicando as datas e os países para onde vai viajar.

Após pagamento de uma pequena quantia, (a rondar 20 eur nos países acima exemplificados), a carta verde será emitida com os países a visitar incluídos.

Deverá fazer-se acompanhar das duas cartas verdes que possuir, pois uma será válida apenas enquanto estiver no país escolhido.

Seguro de viagem para si

Quando definimos um roteiro de mota de forma personalizada e independente, nem sempre nos lembramos de precaver situações de necessidade de cuidados médicos em viagem.

Assim que saímos de Portugal, deixamos de estar abrangidos pelo serviço público de saúde. Em caso de recurso aos hospitais no estrangeiro, a conta chegará a nossa casa e poderá não ser agradável!

Dentro da Europa esta situação é facilmente resolvida de forma gratuita solicitando o Cartão Europeu de Seguro de Doença. Pode solicitá-lo online no site da Segurança Social e chegará a sua casa num curto espaço de tempo. Qualquer eventualidade estará assegurada dessa forma.

Viagens fora da União Europeia

No caso de viajar para fora da UE a situação muda completamente e é necessário ter em conta alguns detalhes. Quando aborda qualquer seguradora tradicional (Allianz, Ageas, Fidelidade, etc…) para realizar um seguro de viagem, a cotação é prontamente apresentada para diversas coberturas comuns.

A explicação das coberturas e seus limites é confusa e pouco detalhada, diria até irresponsável. Terá de fazer diversas questões (que por vezes nem imaginamos), para garantir que aquilo que pretende está assegurado.

Depois de lhe apresentarem uma cotação a preço de ouro, conclui que o seguro proposto em nada lhe serve. Irá realizar a viagem de mota e assim que informar a seguradora dessa questão, a maioria recusar-se-à a fazer-lhe um seguro de viagem.

A partir desse momento qualquer dor de barriga ou indisposição será para eles, causada pelo facto de se deslocar num veículo perigoso.

Felizmente, e especialmente direccionado para viajantes independentes, e ideal para quem marca um roteiro de viagem de mota personalizado, surge a World Nomads para colmatar essa falha.

A preço justo e com coberturas que lhe garantem diversos tipos de actividades, incluindo andar de mota, oferece seguros de viagem e acidentes, com óptimas coberturas para todos os países do mundo.

É a nossa opção sempre que de algo do género necessitamos. A adesão é feita online pelo período de tempo que indicar, e nos países que pretende viajar.

 6 – A partir deste ponto terá apenas de ir!

Partilhamos todos os cuidados e métodos que usamos para definir os nossos roteiros. Deixamos para um próximo artigo todos os detalhes sobre como organizamos as nossas bagagens.

Abaixo ficam alguns dos roteiros já publicados, para que fique a conhecer e tirar muito boas ideias para criar o seu roteiro de viagem de mota personalizado:

Roteiro de viagem de mota à Noruega e Cabo Norte

Roteiro de viagem à Córsega e Sardenha

Roteiro de viagem aos Alpes

Roteiro de viagem à Croácia e Montenegro

Roteiro de viagem pela Suíça e Alpes Suíços

 

16 Replies to “Como marcar um roteiro de viagem de mota personalizado?”

  1. Excelente e muito útil este vosso post, obrigado pela partilha.

    1. quilometroinfinito says: Responder

      Obrigado por seguir os nossos artigos Luis Ferro, e obrigado pelo seu comentário! Boas curvas 🙂

  2. Espectacular artigo.. ajudou-me imenso.. muito obrigado! Picos da Europa não chega a contar como viagem para vocês certo? 😉 Abraços e boas curvas! “Vemo-nos” por aí.. 😉

    1. quilometroinfinito says: Responder

      Carlos Andrade para nós qualquer viagem que seja de mota, é uma viagem e por isso cada uma com o seu encanto! Picos da Europa é um local lindíssimo a não perder para uma boa viagem de mota! Ainda não tivemos oportunidade para os visitar de mota mas está na nossa lista! Espero que nos conte tudo! 🙂 Obrigado pelo seu comentário e ficamos contentes que o tenha ajudado! Felicidades e boas curvas!

  3. Mais um guia super interessante e muito útil.
    Obrigado pelo trabalho disponibilizado!
    Uma sugestão.
    Por vezes, os pneus da mota, principalmente o traseiro, não aguentam a viagem toda.
    Programar a troca de pneus, num local específico, com pedidos de orçamentos antecipados, pode ser muito útil e poderá poupar alguns euros.

    1. quilometroinfinito says: Responder

      Boa sugestão sim! Trocamos regularmente os nossos pneus em viagem e por vezes fazemos a revisão também. Em breve acrescentamos esses detalhes às nossas dicas! Obrigado pelo interesse!

  4. A partilha que fazem é magnifica. Obrigado.

    1. quilometroinfinito says: Responder

      Obrigado Daniel! Que lhe sirva de muita ajuda nas suas aventuras sobre duas rodas! Boas curvas!

  5. Paulo Manuel Sadio Jorge says: Responder

    Artigos muito interessantes que ajudam a preparar viagens.
    Relativamente aos mapas, eu aconselho que verifiquem os da editora ” Reise Know How”, dos mais pormenorizados que conheço.
    Não esquecer tambem levar um Localizador por satelite, para quem viaja para sitios mais remotos, eu utilizo o ” SPOT”.
    Continuação de boas viagens

    1. quilometroinfinito says: Responder

      Obrigado pelos conselhos Paulo! São sempre bem vindos pois estamos sempre a aprender uns com os outros! Continuação de boas curvas!

  6. Excelentes conselhos, muito obrigado.
    Deixo-nos um link para um site que explica como planear um percurso no Google maps, gerar o ficheiro de navegação GPX e uma aplicação gratuita de navegação:

    https://www.bedsforcyclists.co.uk/articles/2014/04/13/how-to-plan-a-route-in-google-maps-and-export-it-to-gpx-your-phone/

    1. quilometroinfinito says: Responder

      Obrigado Jorge! Não conhecíamos! Vamos explorar. Agradeço a atenção, estamos sempre a aprender 🙂

  7. É fantastico a maneira como vocês transmitem aquilo que ao longo dos tempos têm transmitido com a vossa aprendizagem. Obrigado é sempre bom sabermos que temos sempre algum sitio para nos fornecerem tantas boas informações.
    Obrigado

    1. quilometroinfinito says: Responder

      Obrigado Raul 🙂

  8. Muita e boa informação se encontra neste site, obrigado.

    1. quilometroinfinito says: Responder

      Obrigado Ricardo!

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: