Roteiro de viagem de mota pelos vales dos Rios Côa, Douro e Távora | Norte de Portugal

Portugal enche-nos de motivos para sair de casa. É a conclusão a que sempre chegamos naqueles dias em que temos apenas um fim de semana livre, mas gostaríamos de ir mais longe e não temos tempo. Naquela falsa ilusão de que só assim vamos ver coisas novas. O quê? Novamente toda a parafernália de bagagem e equipamento para ir outra vez numa viagem de mota pelos vales dos Rios Côa, Douro e Távora?! Já lá fomos tanta vez! Digo eu, em tom de impaciência ao João quando ele insiste que vamos visitar o Norte de Portugal outra vez

É essa insistência que me empurra para os meus mapas, e me relembra que não devemos ter a audácia de achar que conhecemos todo o nosso país. Haverá sempre muitas mais estradas, muitos mais monumentos, muitos mais restaurantes e muitos mais lugares pelo caminho, que nos farão regressar de uma rota de viagem de mota de coração cheio de novidades.

Neste roteiro, preocupei-me apenas em escolher uma boa maioria de estradas novas, sem dar importância se seriam boas ou más. Seriam apenas novas para nós. Adicionei ao caminho todos os lugares de interesse há muito marcados no meu mapa, e descobri outros tantos numa rápida pesquisa. Surgiu uma rota de cerca de 800 km e dois dias de viagem pelos vales do rio Côa, Douro e Távora.

Este é o roteiro prometido, que recomendamos seguir num fim de semana em território nacional. Desfrutando de maravilhosos e pitorescos lugares, estradas fantásticas, praias fluviais e uma suculenta gastronomia.

Roteiro de viagem de mota pelos vales do Rio Côa, Douro e Távora.
Roteiro de viagem de mota pelos vales dos Rios Côa, Douro e Távora.
Roteiro de viagem de mota pelos vales do Rio Côa, Douro e Távora.
Senhora da Ribeira, Roteiro de viagem de mota pelos vales dos Rios Côa, Douro e Távora.

De mota pelos vales dos Rios Côa entre a História e a Pré História

Já sabem que temos a crescente tendência para visitar lugares da Pré História, do Megalítico, Arte Rupestre, Romana, Românica e todos e quaisquer períodos que enriqueçam as nossas rotas com História e Arqueologia. Uma anta nunca será para nós só um monte de pedra. Umas ruínas romanas nunca serão para nós vários montes de pedra. Serão sempre lugares marcantes, instalados nas mais belas paisagens da região, repletos de um passado de interesse infinito, carregados de energias que nos fazem recuar no tempo, e imaginar como seria a vida outrora. Lamentamos apenas o facto de se encontrarem tão entregues à sua sorte, e tão desprovidos de atenção e divulgação.

Seguimos para o nordeste de Portugal, e uma das nossas zonas preferidas do país. Naquele interior mais remoto, feito de imponentes montanhas onde a cada estação novo espectáculo nos aguarda, há sempre uma rota de belas estradas a percorrer. No início da Primavera florescem as amendoeiras e no Outono os vastos vinhedos enchem-se de folhas de cor de fogo. Com a chegada do Verão, juntam-se as cerejas ao roteiro com aquele sabor de fruta acabada de colher, num cerejal ali ao lado. Doces, suculentas e na perfeita consistência. Se viajam entre o mês de Maio e Junho, levem espaço nas bagagens; e na barriga.

Roteiro de viagem de mota pelos vales do Rio Côa, Douro e Távora

Estação arqueológica de São Gens

Seguimos pelo caminho mais rápido desde a Batalha até Celorico da Beira. E é na Estação Arqueológica de São Gens que fazemos a primeira paragem. Mas alguma paciência é necessária, e olho bem aberto, para seguir as tímidas placas de sinalização que identificam lugares assim. Como já fazia parte do nosso roteiro antes estudado, o nosso Garmin Zumo XT dá-nos uma preciosa ajuda nessa parte.  Seguimos por caminhos fora de estrada. Cerca de 2km é a distância aproximada a percorrer por um estradão simples a partir da estrada pavimentada.

Acesso à necrópole de São Gens
Acesso à necrópole de São Gens

Até que, num descampado imenso, mas com vista para Serra da Estrela no horizonte, se destaca um aglomerado rochoso de peculiares formações. A seus pés, as ruínas de uma antiga cidade romana, em torno de uma necrópole antropomórfica com mais de vinte túmulos escavados na rocha. Acredita-se que este local tenha sido ocupado entre os séculos I e II. E mais tarde entre os séculos XII e XIII.

A necrópole é uma arquitectura funerária, com um formato de cavidade correspondente à cabeça e suporte de ombros. Localizadas num cenário natural fantástico para o nascer e o pôr do sol. Perto destas sepulturas destaca-se também o Penedo do Sino, um bloco granítico modelado pelos agentes de erosão, muito conhecido por se encontrar num estranho e belo estado de equilíbrio.

Estação arqueológica de São Gens
Estação arqueológica de São Gens
Estação arqueológica de São Gens
Penedo do Sino em torno da Necrópole de São Gens
Necrópole de São Gens
Necrópole de São Gens
Necrópole de São Gens
Necrópole de São Gens

Castelo de Trancoso

Seguimos para norte continuando sempre pelas pequenas estradas fora dos acessos principais, e o rumo leva-nos a Trancoso. A dimensão das muralhas que se agigantam no centro histórico da cidade obriga-nos a voltar para trás e parar. A cidade antiga é um conjunto fortificado com numerosos monumentos no seu interior. O castelo, a jóia da coroa e muitas recantos históricos de arquitectura civil e religiosa. As igrejas paroquiais de Santa Maria e S. Pedro, a Casa dos Arcos, a Igreja da Misericórdia, a Casa do Gato Preto, um Pelourinho manuelino e um antigo edifício do Bairro Judaico. Trancoso lembra-nos que merece uma visita com mais tempo, fora do fato de motociclistas.

Roteiro de viagem de mota pelos vales do Rio Côa, Douro e Távora.
Roteiro de viagem de mota pelos vales dos Rios Côa, Douro e Távora: Castelo de Trancoso
Roteiro de viagem de mota pelos vales do Rio Côa, Douro e Távora.
Castelo de Trancoso

Necrópole de Moreira de Rei

A curtos quilómetros de Trancoso, Beira Alta e Centro de Portugal, está a pequena aldeia de Moreira de Rei. E quem passa nos arredores, jamais ali imaginaria a descoberta de uma necrópole com mais de 600 sepulturas antropomórficas em redor de uma igreja românica. A Necrópole de Moreira de Rei é considerada a maior da Península Ibérica, e é datada dos séculos VIII a IX e XII a XIII. Visitámos recentemente a Cantábria e a rota espanhola do Românico Palentino, mas só hoje soubemos que Portugal a supera em lugares desta dimensão. Infelizmente, não com tanto destaque internacional.

Os túmulos de adultos e crianças estão dispostos em redor da Igreja de Santa Marinha, e são neste momento alvo de requalificação por uma equipa de arqueólogos. Uma visita ao local é recomendada para poder testemunhar em primeira mão as centenas de túmulos da antiguidade escavados na rocha granítica. Moreira de Rei foi construída sob um pequeno promontório rochoso, com largas vistas para o planalto em redor e ainda ostenta as ruínas das muralhas do seu antigo castelo. Pelas ruas de pedra da aldeia, agora de fachadas devolutas, entendemos de imediato porque alguém ali encontrou um local maravilhoso para a sua última morada neste mundo.

Necrópole de Moreira de Rei
Necrópole de Moreira de Rei

 

De  mota pelos vales do Rio Côa, Douro e Távora

Miradouro da Faia

Lembram-se que estamos num roteiro com objectivo de conhecer novos lugares? Passamos pelo mágico Castelo de Marialva, a pequena aldeia de Meda e muitos outros lugares que complementam o roteiro Pré Histórico da região de Celorico da Beira e Fornos de Algodres. Já visitámos todos e por isso não parámos, mas se é a primeira vez na região recomendamos que sejam incluídos neste roteiro.

Seguimos para o planalto de Pinhel, para a entrada em Trás os Montes no vale do rio Côa. E é o Miradouro da Faia Brava que está no próximo ponto de paragem.

Vindos da aldeia do Juízo e desconhecendo por completo qualquer acesso ao Miradouro da Faia, deixamo-nos guiar pelos caminhos agrícolas que vimos através do Google Maps. Sabemos que estará ali algures naquela direcção a partir do acesso pavimentado entre o Juízo e Cidadelhe. Entre os olivais, amendoais, vinhedos e muitos campos agrícolas contornados por muros de pedra, fazemos alguns quilómetros fora de estrada seguindo apenas um rumo aproximado na tentativa de encontrar o Miradouro da Faia.

Não é que afinal havia acesso por estrada? Basta partir de Madalena, a pequena aldeia nos arredores e seguir até a devoluta aldeia da Faia. Afinal, mais de uma hora entre caminhadas e voltas fora de estrada, chegámos por fim ao último lugar pavimentado para visitar o fabuloso miradouro. Não antes de mais uns belos 600 metros de caminhada, a descer!

Chegados ao Miradouro da Faia, o curso do rio Côa avista-se do topo da colina, numa deslumbrante paisagem intocada. Os degraus metálicos da escadaria recém construída, criam uma plataforma transparente para apreciar o rio Côa a mais de 200 metros de altura.

Roteiro de viagem de mota pelos vales do Rio Côa, Douro e Távora: Miradouro da Faia
Roteiro de viagem de mota pelos vales dos Rios Côa, Douro e Távora: Miradouro da Faia

No vale do Côa no seu caminho para o Douro

Já não se consegue imaginar um sem o outro quando se ruma ao Douro Internacional. Falo dos rios Douro e Côa. O Douro atravessa Portugal de Este a Oeste na região Norte, mas vindo de Sul, está o Côa cujo o nome se tornou internacionalmente conhecido.

O Côa é um dos afluentes do Douro e, no fim do seu curso, encerra o seu vaste vale num deslumbrante ciclo artístico. As formações rochosas que delimitam o seu leito, e nos apresentam mágicas estradas para andar de mota, foram-se convertendo milénio após milénio em painéis com milhares de gravuras rupestres que são a Arte da Pré- História. Falamos do Parque Arqueológico do Vale do Côa inscrito na UNESCO como Património da Humanidade.

É nos arredores de Vila Nova de Foz Côa que terminamos o primeiro dia deste roteiro. E qualquer uma das sugestões de alojamento  se encontram boas opções Casa de Santa Cruz, Felgar para um ambiente de maior requinte e piscina. Casa dos Primos, Muxagata para um ambiente familiar e muito acolhedor. Com um pequeno almoço de produtos locais maravilhosos.

Roteiro de viagem de mota pelos vales do Rio Côa, Douro e Távora.
Roteiro de viagem de mota pelos vales dos Rios Côa, Douro e Távora.

Dica para a região:

Um pequeno desvio a esta rota vale a pena se ainda nunca percorreram as curvas fabulosas da estrada que sobre as encostas rochosas que delimitam o imponente Vale da Vilariça:

A Estrada M611 em Torre de Moncorvo. No capítulo das melhores estradas de Portugal

Senhora da Ribeira

Do outro lado do Vale da Vilariça, o rumo leva-nos a Oeste, e é para lá da Foz do Sabor que encontraremos o Douro mais além. Cabeça Boa, Cabeça de Mouro e Lousã são as aldeias que se seguem. Unidas por uma espectacular e sinuosa estrada, repleta de curvas desafiantes que ganham altitude por entre os socalcos de amendoais, olivais, cerejais e muitas outras árvores de fruto que adornam a paisagem. Mas é na descida de Lousã para o vale do Douro, que uma das mais maravilhosas e remotas estradas de Portugal se encontram.

Chamam-lhe a Senhora da Ribeira, e por vários quilómetros acompanha o curso do Douro à beira rio. Entre vinhedos e laranjais num percurso ribeirinho de sonho que tivemos a sorte de nos ter sido apresentado por um amigo transmontano.

A descida para a Senhora da Ribeira
A descida para a Senhora da Ribeira

N323 Vale do Távora e o Mosteiro de São Pedro das Águias

Atravessamos o Douro na barragem da Valeira. Por entre os socalcos de vinhas que fazem parte do Património Mundial da UNESCO, uma ida ao Alto Douro Vinhateiro é sempre uma grande lembrança de que Portugal é um país de sonho para andar de mota. Entramos na N222 uma vez mais para rumar ao vale de outro afluente do nobre Douro: o Távora.

A entrada no Vale do Távora é feita pela curvilínea N323 que segue em altitude o curso do rio a seus pés. Formações rochosas fantásticas, e uma abundante vegetação adornam uma paisagem idílica para lá das rotas mais conhecidas da região. Estamos de olho na visita ao Mosteiro de São Pedro das Águias, e é com muitas dúvidas acerca dos seus acessos que avançamos pelas profundezas da floresta que nos rodeia.

Um templo românico: Mosteiro de São Pedro das Águias

Saímos da N323 na aldeia de Granjinha, para uma pequena e estreita estrada que desce a montanha gradualmente. No fim do percurso, num privilegiado lugar à beira do Távora, está o pequeno Mosteiro São Pedro das Águias. Um templo românico alcandorado numa escarpa sobranceira ao Távora. Cuja remota localização lhe conferiu o estatuto de eremitério construído pelos monges beneditinos e posteriormente cistercienses.

Um dos mais belos monumentos da arquitectura românica portuguesa, cuja insólita implantação em tão desnivelado penedo granítico lhe confere uma arquitectura peculiar. A entrada principal é feita por entre um pequeno acesso entre a parede rochosa e um arco ricamente decorado. Com a extinção das ordens religiosas no século XIX, ficou ao abandono e só recentemente foi restaurado. A curtos metros de caminhada do local, está a Praia Fluvial da Granjinha a apelar a um mergulho nos dias quentes.

Em torno do mosteiro, encontramos sepulturas antropomórficas construídas em rochas amovíveis. Sem enquadramento histórico ou possibilidade de entrada no monumento, ficamos apenas a imaginar quais antiga poderá ser a ocupação deste lugar e quantas pessoas o escolheram para viver, e por lá morrer. Porque é a localização panorâmica garantida que nos leva a lugares assim, e essa tendência nunca nos desapontou.

Quem chega por acaso à hora de almoço à Taverna A Tarraxa?

Quis o destino que o regresso à N323 nos guiasse à aldeia de Sendim na hora de almoço, no vale do Távora. A Taverna A Tarraxa é conhecida pela fama do seu proprietário: o Engenheiro da Picanha. Um lugar que jamais ali imaginámos e onde fomos ter seguindo o cheiro a carne assada que se faz sentir a poucos metros do acesso principal.

Num ambiente tradicional, em torno de muita carne, muito vinho e muita comida tradicional, sentamo-nos numa das mesas partilhadas de uma taverna tipicamente portuguesa e nortenha. Para uma farta refeição em torno de risadas e do garrafão de aguardente que corre as mesas à descrição. Nós não bebemos lembram-se? Sobrou mais para vocês.

Depois de tamanha refeição, os planos para a caminhada em torno da Albufeira de Vilar ficaram para depois. E porque este é um roteiro para apenas dois dias disponíveis, a sesta ficou para o final do dia depois do regresso a casa pelos caminhos do Centro de Portugal. Há muitas rotas diferentes pelos mesmos lugares, e o nosso roteiro pelos vales dos rios Côa, Douro e Távora foi a prova disso mesmo. Boas curvas!

Dica para a região:

Se tem mais dias para um roteiro pelo Norte de Portugal, compatibilizar esta rota com a nossa anteriormente publicada pelo Douro Internacional:

Roteiro no Parque Natural do Douro Internacional entre o Vale do Côa e do Sabor | Região de Trás-Os Montes e Alto Douro

Sugestão de Alojamento

Mapa do percurso pelos vales dos Rios Côa, Douro e Távora

Para consultar o mapa em detalhe, clique sobre ele ou utilize o canto superior direito para abrir directamente na página do Google Maps. Poderá fazer o zoom necessário para ver a rota em pormenor ou exportar para o GPS como preferir. Clicando no canto superior esquerdo, é também possível ler a legenda do mapa em detalhe. Pretende utilizar este mapa no seu aparelho de navegação e não sabe como o fazer? Consulte aqui o nosso artigo já publicado.

  • Locais de interesse histórico e natural
  • Restaurantes
  • Alojamentos
  • Quilómetros totais: 800km
  • Tempo de roteiro recomendado: mínimo 2 dias

Se gostou deste artigo e souber de alguém que também possa gostar, partilhe clicando no botão das redes sociais abaixo. Estará a ajudar-nos a divulgar e a continuar a nossa existência. O nosso muito obrigado desde já e boas curvas!

🗺️ A preparar a próxima viagem de mota?

♦Reserve as suas estadias através do Booking.com. Por lá encontramos sempre as melhores promoções e têm a facilidade de cancelamento gratuito.

♦Pagamentos no estrangeiro sem taxas e comissões? É fazer um cartão recarregável como o nosso! Abre grátis uma conta moey, por videochamada ou Chave Móvel Digital. Utiliza o nosso código e ganha 10 €. Começa logo a usar, sem custos e com cartão virtual e físico gratuito enviado para a morada de registo. Acede ao link aqui e associa o teu número antes de abrires conta.

♦Gostamos de viajar tranquilos. Como tal, em todas as nossas viagens além fronteiras, contratamos sempre um seguro de viagem que se enquadre no nosso perfil de viajantes aventureiros e independentes. Através da IATI encontrará boas opções para motociclistas. A IATI têm excelentes preços, atendimento em português e seguindo o nosso link ainda terá um desconto de 5%.

♦ Gostaria de fazer um dos nossos roteiros mas não tem mota? Ou prefere optar por alugar uma por uns dias? Utilize os serviços da Motorentour e encontrará uma frota de várias motas prontas para seguir uma aventura e uma equipa profissional  para dar solução às suas necessidades.

♦Sejam pequenas ou grandes travessias, se precisa de comprar uma viagem de ferry para a sua próxima viagem recomendamos que utilize o DirectFerries.pt. Permite comparar os preços e horários das diferentes companhias e é por lá que encontramos os melhores preços.

♦Para alugar carro ou mota em qualquer destino, sugerimos o site de reservas Discover Cars. Uma plataforma que apresenta todas as opções e empresas disponíveis e tem facilidade e flexibilidade nas reservas.

Esta página contém links afiliados. Ao efectuar as suas reservas através destes links recebemos com uma pequena comissão. Não pagará mais por isso e estará a ajudar o blogue Quilómetro Infinito a continuar a sua existência. Muito obrigado!

5 Replies to “Roteiro de viagem de mota pelos vales dos Rios Côa, Douro e Távora | Norte de Portugal”

  1. Maria da Assunção Simões Lopes Dias says: Responder

    Um grande OBRIGADO pelo vosso trabalho. Portugal é mesmo lindo e em 2 rodas conseguimos ter uma perspetiva que nunca conseguiríamos por exemplo de carro. E o vosso trabalho aliado ao prazer que vos dá e que deixam transparecer é uma mais valia gigante. Muitas Felicidades

    1. quilometroinfinito says: Responder

      Muito obrigado por esta mensagem Maria! É mesmo isso! Um grande beijinho nosso e felicidades 🙂

  2. Excelente Roteiro!! Obrigado aos Câmara!

  3. Boa noite tudo bem quando vai ter outro passei de mota comprei uma Benelli 500 não conheço ninguém aqui em Portugal gostaria de fazer amizades com motoclube ae fazer parta do passeio

    1. quilometroinfinito says: Responder

      Olá Edilson. Tudo bem? Recomendo que procure vários nas redes sociais. Existem muitas opções e a fazer passeios regulares em grupo. Boas curvas

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Quilómetro Infinito